Instituto Brasileiro do PVC

Mitos e verdades sobre Aditivos

MITO - Os ftalatos fazem parte da composição do PVC e são tóxicos.


VERDADE - Ftalato é o nome de um grupo de substâncias que têm como principal função conferir flexibilidade ao PVC. Assim, somente produtos de PVC flexíveis podem ter ftalatos em sua composição, por exemplo, bolsas de sangue, laminados para aplicações diversas (calçados, bolsas, acessórios, produtos esportivos, infláveis, ...), entre outros.


Os ftalatos são alguns dos produtos químicos mais estudados no mundo. São estudos rigorosos de avaliação de riscos realizados pela União Europeia, e também por outros órgãos científicos internacionalmente respeitados. Os resultados têm demonstrado a segurança dessas substâncias nos vários segmentos nos quais são utilizados. Assim, não existe, cientificamente, qualquer conclusão de que causem problemas à saúde de humanos:



A composição PVC + ftalato é utilizada em produtos como bolsas de sangue e soro, cateteres, entro outros, com aprovação de entidades reguladoras do setor de saúde, como a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Ministério da Saúde, FDA – Administração Federal de Medicamentos e Alimentos dos Estados Unidos, Farmacopeia Europeia, Ministério da Saúde do Japão, dentre tantos outros órgãos competentes, o que comprova a segurança de sua utilização.


Não existem proibições quanto à utilização de ftalatos em qualquer produto. O que existem são limites para sua utilização. 



MITO - Os ftalatos migram de produtos de PVC e se depositam na natureza.


VERDADE – Os ftalatos não migram de produtos de PVC com facilidade, pois eles ficam presos à matriz polimérica do PVC. Para que a migração ocorra, o PVC deve ser exposto a condições adversas envolvendo temperaturas extremamente altas ou deve ficar em contato com solventes extremamente fortes. Se por ventura alguma partícula de ftalato for emitida na natureza, ela será rapidamente degradada e não se acumulará na natureza ou nos organismos vivos.



MITO - Produtos de PVC são tóxicos pois tem chumbo em sua composição.


VERDADE – Os estabilizantes térmicos são aditivos utilizados na fabricação de qualquer produto de PVC para evitar que o material se degrade durante os vários processos de transformação pelos quais o PVC pode passar. O estabilizante mais utilizado no Brasil há alguns anos era o a base de sais de chumbo. 


Atualmente, o uso desses produtos no Brasil é residual. Esse cenário é fruto de um acordo voluntário iniciado em 2002, liderado pelo Instituto Brasileiro do PVC, do qual foram signatários os principais fabricantes de tubos e conexões, de estabilizantes térmicos e de resinas de PVC. Por meio desse acordo, o setor promoveu a substituição de estabilizantes a base de sais de chumbo por Cálcio/Zinco (Ca/Zn), mesmo sabedores de que não havia possibilidade desse estabilizante contaminar de alguma forma a população ou o meio ambiente, em seu uso em tubos e conexões. Isso porque ele fica preso à matriz polimérica do PVC. Toda a cadeia produtiva do PVC estava ciente, entretanto, de que existe todo um setor envolvido na fabricação de produtos à base de chumbo e que existe o risco de contaminação ao longo da cadeia deste metal.


Atualmente, as normas técnicas já preveem a não utilização de sais de chumbo em tubos e conexões e outros segmentos seguiram o mesmo caminho, como o de forros de PVC, por exemplo. Os novos desenvolvimentos de produtos também já consideram a não utilização de estabilizantes a base de sais de chumbo.

Instituto Brasileiro do PVC - Av. Chedid Jafet, 222 - Bloco C 4º andar - Vila Olímpia - CEP 04551-065 - São Paulo - SP | Tel. 11 2148-4735 - info@pvc.org.br
© 2017 Instituto Brasileiro do PVC